Powered by GOOGLE Tradutor

4 de jan de 2012

Hering, Bends, Hohner, Suzuki, Seydel e até Yamaha? O que é verdade e o que é boato? Ótima matéria da revista MÚSICA & MERCADO:

REESTRUTURAÇÂO: Hering, na boca do povo!

Mudança de sede, enchente, venda de marca, atrasos nas entregas, boatos de falência. Em meio a todos esses problemas, a Hering se recupera de grandes mudanças em sua estrutura física e no mercado

Por Itamar Dantas

 As gaitas sempre foram produtos indispensáveis no estabelecimento de qualquer varejista de instrumentos musicais. Compradas à vista, em dinheiro vivo na maior parte das vezes, os modelos mais simples têm alta rotatividade e representam faturamento imediato ao lojista.

A Hering, nesse ramo, foi pioneira no Brasil. Criada em 1923, por Alfred Hering, durante algumas décadas a empresa dominou a comercialização do produto no País. Ainda mais depois que, em 1966, a empresa foi adquirida pela Hohner, uma gigante do mercado internacional, que trouxe toda a sua expertise à fabricante brasileira. Vendida em 1979, em 1996 passou às mãos de sua atual gestão, com Alberto Bertolazzi.

Nos últimos anos, porém, a empresa sofreu alguns reveses nos negócios. A mudança de sede, aliada a uma enchente na cidade de Blumenau, SC, no final de 2010, fizeram com que a Hering atrasasse entregas de seus produtos, alimentando um boato de falência no mercado nacional de instrumentos musicais. “Algumas fontes mal-intencionadas começaram a espalhar notícias sobre problemas financeiros na empresa. Mas, como dizem, mentira tem pernas curtas. Hoje a situação está normalizada e, a despeito da nova enchente deste ano, mais forte ainda que a de 2010, estamos produzindo e entregando dentro dos prazos necessários para atender o mercado.”

Já recuperada, a empresa define as estratégias para 2012. Bertolazzi afirma que este ano vai investir pesado em ferramentas de marketing e institucionais. “A Hering se tornará mais ativa nas redes sociais e dará andamento ao seu projeto cultural e educacional pelo Instituto Cultural Hering Harmônicas”, ressalta o gestor.

O buraco deixado pela Bends

No mês de junho de 2011, a Bends Harmônicas saiu do mercado nacional de gaitas. Mediante esse fato, a Hohner prometeu entrar com mais força no mercado pela sua distribuidora, a ProShows. De outro lado, a Suzuki declarou que também estaria mais presente, intensificando suas ações de marketing pelo Brasil, que agora se divide, basicamente, entre essas empresas e a Hering.

Para Bertolazzi, a saída da Bends se deu devido à tradição dos seus concorrentes, um mercado muito fechado no caso brasileiro. “A Bends poderia ser um case study para o mercado da música. Mostrou que se você não tem um produto adequado, não importa o quanto gaste em propaganda e marketing. Entrar em um mercado tão pequeno e restrito como o de harmônicas exige muito capital e, principalmente, ‘nome’. Veja que as duas empresas alemãs [a Hohner e a Seydel] têm mais de 150 anos, a Hering foi fundada em 1923 e a Suzuki em 1948. São essas quatro marcas que dominam o mercado mundial”, defende Bertolazzi, e arremata: “Até a Yamaha tentou produzir harmônicas há alguns anos e desistiu. O investimento para o ferramental, devido à diversidade de modelos, é muito grande. Você não pode querer atender o mercado apenas com algumas diatônicas e cromáticas. Além disso, o mercado é pequeno se comparado a outros segmentos de instrumentos musicais.”

Mudança de estratégia

Para fazer frente às concorrentes internacionais, que têm visto no Brasil uma grande oportunidade de crescimento nos negócios, a Hering tem investido na pesquisa e desenvolvimento de produtos premium, de maior valor agregado. Essa é, inclusive, a estratégia da empresa para atuar no mercado internacional.

Com distribuição regular em 30 países, a Hering diminuiu o volume de exportações no último ano, mas, segundo Bertolazzi, aumentou a rentabilidade. “A valorização do real fez com que mudássemos a estratégia de exportação e hoje estamos mais focados nas harmônicas com alto valor agregado. O volume exportado diminuiu, mas aumentou a rentabilidade”, afirma o executivo.

PAPO RÁPIDO

Em entrevista à Música & Mercado, Alberto Bertolazzi falou sobre os boatos de falência da empresa, do segmento de gaitas e da saída da Bends do mercado nacional. Confira.

Qual é a situação da Hering atualmente no mercado de gaitas? O que você pode dizer sobre as irregularidades em relação à entrega de produtos?

 A Hering estava instalada, até março de 2010, em um prédio muito charmoso, estilo alemão. A estrutura, porém, não estava mais atendendo à nossa necessidade para melhorar a produtividade e controlar devidamente a qualidade. Daí a decisão de mudar para um prédio mais funcional. Mas algumas previsões não se realizaram, ficamos duas semanas sem internet e telefone. O que era para ser feito em alguns dias levou, na realidade, mais de um mês. Isso mais a enchente de novembro daquele ano — que isolou completamente a cidade de Blumenau — ocasionaram problemas tanto na produção como na distribuição e recebimento de materiais.

Como o encerramento das atividades da Hunter (linha de suportes, outro segmento em que a empresa atuava) impactou nos negócios da Hering?

A venda da linha Hunter foi um bom negócio tanto para nós como para a empresa que comprou. A linha Hunter é composta por uma grande variedade de produtos e se encaixou perfeitamente no portfólio do comprador. Hoje a Hering pode focar seus objetivos na produção de harmônicas que, por ser um produto quase artesanal, exige muita atenção. E também podemos nos dedicar mais a um mercado muito promissor, que é a industrialização de madeiras certificadas para a fabricação de instrumentos musicais.


















































(fonte: Música & Mercado - REESTRUTURAÇÂO: Hering, na boca do povo Matéria publicada em Quarta, 4 de Janeiro de 2012 14:19)

Um comentário:

  1. Gostaria de ver uma comparação técnica entre as diversas cromáticas do mercado.
    Fiquem com DEUS!!

    ResponderExcluir

Muito Obrigado por deixar seu comentário, ele é muito importante para que possamos evoluir juntos! Não deixe de ASSINAR seu nome! Queremos conhece-lo(a)! O HARMONICA HOUR é de todos.

ATENÇÃO!

• Pedidos de parceria somente por e-mail

• Não faça somente propaganda do seu blog, deixe um comentário construtivo sobre o assunto.
______________________________________________________

Thank you for leaving your comment, it is very important so we can evolve together! Be sure to SIGN your name! We know you! The HARMONICA HOUR is for everyone.